Restaurante Poema do Semba
Restaurante Poema do Semba

Restaurante Poema do Semba
Restaurante Poema do Semba

Restaurante Poema do Semba
Restaurante Poema do Semba

Restaurante Poema do Semba
Restaurante Poema do Semba

1/7

POEMA DO SEMBA

RESTAURANTE

Poema do Semba:

"Oh, sub-alimentados do sonho, a poesia é para comer."

Natália Correia

 

Com base neste excerto, desenhámos um restaurante de música ao vivo para o cantor e compositor Paulo Flores, cujo o espaço "fale" da poesia e da "alma" da música do autor.

O Conceito do qual partimos foi a capilaridade poética da sua música.

Pensando que a música e a poesia são artes universais, desenvolvemos o projecto de forma a que o texto poético e as letras das canções estivessem presente na percepção geral do espaço e em cada momento da utilização do restaurante.

Os muretes, a 85cm de altura, espraiam-se pelo espaço ao mesmo tempo que abraçam as mesas da refeição. A topejá-los, uma linha de luz que transporta as frases poéticas das letras, recebe o convidado acompanhando-o sempre.

Pretende-se que, ao descer as escadas, o utente apreenda este conceito através de uma imagem forte e dominante desta capilaridade que organiza a área do bar e de restaurante.

A poesia do Semba é entrada, prato principal, sobremesa, vinho, noite adentro.  

LOCALIZAÇÃO

Lisboa, Portugal

DATA

2011

ÁREA DE INTERVENÇÃO

180 m²